Archive for the ‘O Porto em Conversa’ Category

Conversa sobre Freguesias – Material de Apoio

09/04/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

Legislação

  • Lei 169/99 – Estabelece o quadro de competências, assim como o regime jurídico de funcionamento, dos órgãos dos municípios e das freguesias
  • Lei das Finanças Locais

Outros Documentos

Anúncios

Conversa sobre Freguesias – guião

05/04/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

O próximo podcast, a gravar no dia 8-Abril será sobre Juntas de Freguesias, o que fazem, para que servem, que meios têm.
A ideia desse tema surgiu inevitavelmente pelo facto de estarmos no ano de todas as eleições e, pessoalmente, pelo facto de pela primeira vez ir votar numa freguesia do concelho do Porto.

Durante a preparação deste programa, ao referir qual era o tema a algumas pessoas, a primeira observação que fizeram foi algo como … “presidente da junta, isso é que é um bom tacho, não fazem nada…”
Eu como acho que as coisas más tendem a ter mais exposição que as coisas boas ainda acredito que essa observação é mais um reflexo dessa exposição do que da realidade.
De qualquer forma a minha realidade antes de preparar este podcast era na verdade não saber quais a verdadeiras atribuições, que tipo de perguntas faz sentido fazer e o que devemos pedir a esses órgãos da freguesia.

Como nos outros podcasts é natural que fiquem perguntas por fazer mas espero que fiquem pistas que orientem quem quiser explorar mais este tema.

Clique para ver o esquema do Guião

O guião, que como nos programas anteriores está aberto à vossa participação, será:
1. o que votamos => perceber o que votamos e como esse voto dá corpo aos diferentes órgãos da freguesia
2. órgãos => rever os diferentes órgãos, perceber as suas obrigações e como se relacionam
3. atribuições e competências => perceber quais são as atribuições e competências, não só a nível de legislação mas também com exemplos específicos. referir as competências delegadas pela câmara e também a possibilidade de a própria freguesia delegar competências.
4. relações => focar as relações entre os diferentes órgãos das autarquias locais (freguesia e município)
5. comunicação => perceber a partir dos diferentes documentos que têm que ser produzidos (plano de actividades, orçamento, relatório actividades, informação trimestral) como os cidadãos os podem ler, a que pontos ter atenção e avaliar da sua importância.
6. financiamento – tal como nas atribuições e competências, perceber não só o que existe na legislação mas também concretizar com exemplos práticos de onde vem o dinheiro necessário para a acção das freguesias e perceber onde pode ser gasto.
7. papel das juntas – perceber o papel das juntas => manter-se como estrutura? fazer coisas? estabelecer redes? como se mantém a ligação aos fregueses e se evita os problemas das grandes estruturas?
8. o presidente – opinião sobre quais as skills mais interessantes para um presidente de junta.

Conversa com António Alves – podcast

17/03/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

Já está disponível o terceiro “O Porto em Conversa”.

Como tinha anunciado anteriormente foi um podcast com António Alves sobre as questões da ferrovia no Norte do país.

O podcast está organizado em duas partes de cerca de meia hora cada que, embora relacionadas, podem ser ouvidas separadamente.

Assim, nos primeiros 35 minutos revimos alguns conceitos importantes como a questão das bitolas e velocidade elevada vs alta velocidade, falamos sobre como este sector é caracterizado a nível de mercados alvo e tipos de serviços e revimos ainda algumas infraestruturas existentes e os contributos que elas poderiam dar (principalmente o ramal de Leixões mas também o ramal da Alfândega), e passamos ainda um pouco sobre algumas questões do Metro do Porto.

Na segunda parte falamos mais sobre as linhas que vão ter ao Porto, nomeadamente as linha que vão para Braga, Douro e Aveiro sem esquecer naturalmente a questão da ligação ao Aeroporto Sá Carneiro bem como a linha do Tua.

Como sempre podem descarregar o programa directamente ou subscrever este podcast através deste link .

Conversa com António Alves – guião

03/03/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

O próximo podcast será com António Alves, uma pessoa que tem demonstrado o seu conhecimento sobre o sector ferroviário de forma bastante expressiva em variados artigos nos blogs Baixa do Porto, Norteamos e Maquinistas.

A minha ideia é, genericamente, rever um pouco as suas opiniões, bem como alguns posts relacionados com este tema que encontrei nestes e outros blogs, tentando limitar-me ao “mundo” ferroviário (e metro) do Norte, considerando Norte a região de Viana do Castelo a Aveiro, do Porto até Bragança.

(more…)

Conversa com Cristina Santos – podcast

11/02/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

A segunda edição do podcast “O Porto em Conversa” é uma conversa com Cristina Santos essencialmente sobre a reabilitação urbana e mais especificamente sobre a sua experiência no quarteirão de Carlos Alberto no Porto.

São 45 minutos em que falamos sobre os apoios existentes à reabilitação, o próprio processo de reabilitação e as surpresas que aparecem ao longo do caminho bem como o acompanhamento após a conclusão das obras.

O ficheiro está disponivel para download através deste link ou, se preferirem, via subscrição através deste link Subscribe in a reader. Se optarem pela subscrição, sempre que sair um podcast novo são automaticamente notificados.

Conversa com Cristina Santos – guião versão 1

03/02/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

No proximo dia 8 será gravado o segundo podcast O Porto em Conversa. Este programa contará com a presença de Cristina Santos, participante assídua do blog A Baixa do Porto.

Aquilo que me levou principalmente a ter vontade de falar com a Cristina Santos foram as suas participações no blog acerca do processo de reabilitação de um edifício do quarteirão de Carlos Alberto e as fotografias que aí foi publicando.

Todos sabemos que existem imensas casas devolutas na cidade (mesmo para quem anda distraído basta acompanhar blogs como A Outra Face da Cidade Surpreendente ou As Casas do Porto) mas com as contribuições da Cristina Santos ficamos a conhecê-las por dentro e a perceber um pouco melhor os diferentes aspectos que a recuperação deste tipo de edifícios acarreta, tanto a nível burocrático como humano.

Assim, o guião que defini para esta conversa roda muito à volta deste tema da recuperação de edificios em geral e deste caso em particular. Havendo tempo também espero conseguir falar um pouco sobre os assuntos gerais da cidade.

A primeira versão do guião que preparei para esta conversa está em baixo, bem como links que me serviram de referência. Se alguém quiser sugerir outros temas use a caixa de comentários que eu tentarei incluir essas perguntas na nossa conversa.

A data prevista para a gravação da segunda edição do podcast é 8 de Fevereiro. Antes disso publico o guião definitivo com as contribuições que me fizerem chegar.

1. o caso concreto da reabilitação no quarteirão de carlos alberto: tendo em conta a publicação de fotografias que inclui em alguns posts fiquei curioso em relação a todo o processo assim pareceria-me interessar abordar os seguintes pontos:

  • processo burocratico
  • eventualmente falar alguma coisa dos programas de reabilitação
  • levantamento inicial vs surpresas durante o projecto
  • realojamento / relação / colaboraçao com os moradores
  • métodos de reconstrução
  • adaptação da legislação à realidade
  • é mesmo mais barato deitar a baixo e fazer de novo do que remodelar? => “apesar da reabilitação ser um investimento pouco explorado é um dos únicos investimentos rentáveis e garantidos para os próximos anos.”
  • edificio atlantico – reabilitação para ricos?
  • sobre o processo
    não é só desenhar e depois já está»
    E com a obra quase a nu, os esboços voltam ao escritório – é preciso rectificar, reunir com inquilinos, estudar agregados que tendem a aumentar com o decorrer da obra, é preciso rever tudo o que foi atestado antes desta se iniciar.
    o mais importante é que haja ventilação e que uma cadeira de rodas possa circular. Isto é frio e parece calculista,

2. ainda tenho eu próprio que pensar um pouco mais no assunto mas acho que também gostava de explorar a questão da desertificação do porto e saber para quem se está a reabilitar / reconstruir / construir já que aparentemente até os empregos já não estão na cidade

3. desânimo?
“Estruture-se uma equipa entre partidos, vocacionada para a Regionalização, e para o derrube imediato destas falsas políticas, que fazem dos portugueses gente sem raciocínio ou memória, que insiste, apesar de tudo o que vê e pressente, em perder tempo a iludir as pessoas com as mais-valias deste ou doutro candidato e, pior que isso, ainda pensa e dá ideia que vale a pena ir às urnas em 2009, para reeleger um partido centralista ou uma cobaia deste.”

4. região
“Optava por reunir com Braga, Guimarães, Famalicão, Vila Real, traçava um memorando de entendimento com vista à definição dos interesses do Norte, da diferenciação de território e condições.”

5. papel do cidadão, a propósito da tcn
“Mas enfim, cada qual terá a sua opinião, estamos numa democracia, existiu um concurso, temos que acabar com estas perseguições aos investidores, não há negócio que se crie que não seja contestado e assim não há condições, nem atractividade. Vamos aprender com isto e doravante ser um povo mais zeloso e aprender a agir na hora certa. Quem dispara tarde, fere mas não caça.”
=>a minha questão é, como sabemos quais as perguntas que temos que fazer em cada momento, e como sabemos qual é o momento em que as temos que fazer

Outros temas possiveis

  • rivoli
  • ribeira – “Enfim, para quem ficou no Porto a contar com a Ribeira, o desfecho é crítico, é idêntico a aguardar o período das ferias para visitar um amigo que afinal está há tempos em estado vegetativo, não sabíamos, não vimos, não acompanhámos, embora tudo fizesse prever o desfecho, e agora nem com muito barulho vai ser possível reanimá-lo, quando muito um milagre que rezamos para que aconteça, não era bom para o Porto deixar a Ribeira morrer.”
  • só turismo?
  • aleixo

Trivia

  • indicar um ponto que gostava de ver num próximo programa eleitoral autárquico
  • o que é que absolutamente não quer que aconteça no próximo mandato autárquico
  • um ponto positivo na cidade
  • um ponto negativo na cidade

Intervenções de Cristina Santos no blog A Baixa do Porto.

Conversa com Tiago Azevedo Fernandes – transcrição

23/01/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

[00:00] VS – Viva, o meu convidado hoje é Tiago Azevedo Fernandes criador do blog baixa do porto, obrigado por acederes ao convite para esta primeira edição do podcast
[00:07] TAF – é um prazer
[00:08] VS – Vê-se pela blogosfera que há muito quem pense a cidade e as regiões, mas depois quando chega a altura de escolher quem faz parte dos órgãos públicos autárquicos o que vemos é sempre as mesmas pessoas, como é que se consegue fazer uma efectiva transição da sociedade civil para estes cargos que fazem a gestão da coisa pública, ou se calhar antes, achas que é importante essa transição?
[00:28] TAF – a transição vai ser importante e vai ser feita se as pessoas, se a sociedade civil em abstracto estiver realmente interessada em tomar nas suas mãos os seus destinos. O que se passa é que… e principalmente na situação em que Portugal está, em que as pessoas estão preocupadas com coisas aparentemente mais terra a terra e aparentemente mais prioritárias que é a sobrevivência no dia-a-dia, ganhar dinheiro para pagar as contas ao fim do mês, e portanto assim à primeira vista para o cidadão comum se calhar as questões politicas são assim mais uns delírios para gente que está mais bem na vida ou que tem pelo menos uma situação financeira mais estável e que se pode dar ao luxo de perder tempo entre aspas
[01:12] VS – mas é engraçado que, ao contrário, os políticos e algum conjunto de pessoas de grandes empresas dizem que não vale a pena ir para a política porque se perde dinheiro…
[01:23] TAF – porque se perde dinheiro… visto individualmente e no curto prazo isso é um facto, pelo menos para algumas pessoas… já agora um parêntesis quanto a isso… perde-se dinheiro também depende de quem vai para lá, porque a politica tem sido utilizada como trampolim para muita gente que não tem outras capacidades a não ser uma rede pequena de contactos, uma “mafiazinha” entre aspas, que depois vai permitindo fazer a sua subsistência porque consegue contratos e consegue… não estou a falar de corrupção… mas consegue-se meter no meio de onde se geram negócios até perfeitamente legítimos e a política acaba por ser o trampolim de visibilidade… portanto não é para mim assim tão claro que ir para a politica seja assim tão mau… depende é de quem vai, agora, pessoas que têm competência técnica firmada e que tem uma carreira já independente dessas coisas claro que ao dedicarem-se à politica vão perder tempo e perder muito dinheiro, pelo menos no curto prazo e visto individualmente. Mas se virmos as coisas a mais longo prazo e estivermos preocupados com a sustentabilidade da região e do nosso trabalho no ponto de vista de quem se quer manter cá e não quer emigrar ir para a politica, no sentido de dedicar-se às questões politicas, mesmo que não seja de uma forma profissional acaba por ser uma inevitabilidade, porque senão as coisas estão a correr tão mal que daqui a algum tempo não nos resta outra hipótese do que nos dedicarmos a outra coisa qualquer noutro país qualquer. Também me parece que as pessoas têm alguma descrença em relação à politica porque… quando se fala em politica associa-se às tarefas que as pessoas atribuem à administração publica, seja local seja administração central, e o que acontece é que num pais democrático, num estado com limitações relativamente grandes em relação aquilo que pode fazer, seja por questões mesmo constitucionais seja pelos meios que tem à disposição, aquilo que a administração pública pode fazer acaba por não ser muito e os meios que tem não são proporcionais à ambição as pessoas atribuem à missão dos detentores de cargos públicos, e portanto como os resultados são fracos em relação a essas expectativas se calhar exageradas as pessoas acham que a política não tem grande valor e interesse e portanto desanimam um bocado.
(more…)

Conversa com Tiago Azevedo Fernandes – podcast

13/01/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

A primeira edição do O Porto em Conversa foi gravado dia 8 de Janeiro de 2009 e foi uma conversa com Tiago Azevedo Fernandes essencialmente sobre a participação civica, relação blogs-política-cidadãos e outros temas sobre a cidade.

Se preferirem podem subscrever o podcast usando o seguinte link: Subscribe in a reader

Conversa com Tiago Azevedo Fernandes – primeiras notas

09/01/2009

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

Conversa agradável ontem com o Tiago no estúdio da Bit_Radio na Universidade Católica essencialmente sobre a participação civica, relação blogs-política-cidadãos e outros temas sobre a cidade.

No total são uns 55 minutos de conversa, com mais ou menos à vontade da minha parte, devido à minha inexperiencia nestas coisas mas que espero no final tenha um saldo positivo.
Aproveito para agradecer ao João Cordeiro pelo apoio na parte técnica de gravação do programa.

Dentro dos próximos dias o programa ficará online em formato mp3 para quem quiser ouvir e também a transcrição do mesmo para quem preferir ler.

Conversa com Tiago Azevedo Fernandes – guião versão 1

31/12/2008

Mudamo-nos para www.oportoemconversa.com

O primeiro podcast de “O Porto em Conversa” será com Tiago Azevedo Fernandes do site “A Baixa do Porto“. Certamente que quem acompanha o seu blog já conhecerá um pouco as suas ideias mas espero neste podcast conseguir explorar melhor algumas ideias que foi partilhando.

A primeira versão do guião que preparei para esta conversa está em baixo. Será por aqui que irei tentar guiar o meu convidado.
Se alguém quiser sugerir outros temas use a caixa de comentários em baixo.
A data prevista para a gravação deste primeiro podcast é 8 de Janeiro. Antes disso publico o guião definitivo com as contribuições que me fizerem chegar.

  • vê-se pela blogosfera que há muito quem pense as cidades e as regiões, mas depois quando chega a altura de escolhermos quem faz parte dos orgãos publicos autárquicos o que vemos é normalmente sempre os mesmos.
    como se consegue fazer uma efectiva transição da sociedade civil para estes cargos que fazem a gestão da coisa pública… ou se calhar antes, achas que é importante essa transição?
  • em que moldes a participação cívica – antes de chegar à politica
  • como tem sido a participação dentro do psd?
  • quais as características necessárias para que grupos de cidadãos tenham voz efectiva? quantidade? ruído? boa imprensa?
  • como conjugar participação civica e trabalho
  • circuito fechado dos blogs?
  • como conseguir comunicar em rede
  • dificuldade em obter massa critica para participações com resultado
  • ideias para aproximar mais o cidadão dos orgãos de decisão? => orçamento participativo
  • mas será que o cidadão quer estar mais perto?
  • regionalização => crescimento orgânico vs imposto administrativamente de cima para baixo
  • regionalização com contexto para o aparecimento de outras pessoas
  • o “teu candidato” santos silva + elisa ferreira + vagas de fundo
  • rui rio disse que se calhar se a porto2001 tivesse sido um sucesso como muitos dizem ele não teria sido eleito. agora que estamos no fim do segundo mandato qual a opinião geral sobre os mandatos?
  • a questão do aeroporto

trivia

  • indicar um ponto que gostava de ver num próximo programa eleitoral autárquico
  • o que é que absolutamente não quer que aconteça no próximo mandato autárquico
  • um ponto positivo na cidade
  • um ponto negativo na cidade

outros temas possíveos

  • indústrias criativas
  • criar polos de excelência e a qualificação actual das pessoas
  • planos para o futuro do blog